Novidades
Biblioteca
Mensagens
Fórum
Membros
As Fibras para o futuro devem ser sustentáveis

15 jul 2019 Notícias

As Fibras para o futuro devem ser sustentáveis

As Fibras para o futuro devem ser sustentáveis

Artigo de opinião do Prof. Xungai Wang, Pro Vice-Reitor na Deakin University

No meu papel como Pro Vice-Reitor na Deakin University e Diretor do ARC Research Hub for Future Fibres, muitas vezes me perguntam quais são as fibras do futuro, uma questão que também coloco a mim próprio.

Lembro-me de em junho de 2012 fazer esta mesma pergunta a um grupo de investigadores de materiais fibrosos da CSIRO e Deakin University. As respostas foram desde fibras de alto desempenho como as fibras de carbono até às “nature’s wonder fibres’ como a lã e as fibras ainda por descobrir. Já em 2009 tínhamos decidido que o nosso foco de pesquisa deveria ser na área das fibras naturais, fibras de carbono, materiais fibrosos funcionais e nanofibras. Esse foco ainda hoje se mantem na Deakin University, enquanto o CSIRO alterou a sua linha de pesquisa para se focar apenas em fibras de carbono e pesquisa associada.

A 1ª International Conference on Natural Fibers (ICNF) foi realizada na cidade histórica de Guimarães (Portugal), em junho de 2013, com foco em Materiais Sustentáveis para Aplicações Avançadas. Com todo o crédito para o mentor e Chair, Professor Raul Fangueiro, esta série de conferências ganhou uma enorme relevância internacional na comunidade de investigadores em fibras e têxteis. O tema da 4ª International Conference on Natural Fibers, recentemente realizada, foi Smart Sustainable Solutions. A “sustentabilidade” tem sido por isso um foco contínuo para esta série de conferências, e com toda a razão.

O que é excelente nas fibras naturais é que elas fornecem uma fonte constante de inspiração para investigadores e indústria para revelar e imitar as suas estruturas hierárquicas e propriedades intrínsecas únicas.
As fibras do futuro são fibras para o futuro e as fibras para o futuro devem ser sustentáveis. Neste contexto, as fibras naturais têm um futuro brilhante, desde que toda a sua cadeia de valor, desde a produção de fibras até ao seu processamento e utilização final, permaneça “verde” e sustentável. É também o que entendíamos por “fibras naturais verdes” em 2009. Há ainda um longo caminho a percorrer, mas as fibras naturais permanecerão como membros-chave da família das futuras fibras.

Existem muitos tipos de fibras naturais, derivadas de fonte animal, fonte vegetal e até mesmo de fonte mineral. As suas aplicações foram muito além de suas tradicionais utilizações em têxteis e vestuário. Atualmente, as fibras naturais são utilizadas rotineiramente nos compósitos e na indústria biomédica.

O que é excelente nas fibras naturais é que elas fornecem uma fonte constante de inspiração para investigadores e indústria para revelar e imitar as suas estruturas hierárquicas e propriedades intrínsecas únicas. Continuamos a descobrir novos atributos nas fibras naturais, assim como adicionamos novas funcionalidades a essas mesmas fibras através de esforços multidisciplinares. No futuro, as funcionalidades adicionadas não devem no entanto ser introduzidas à custa da sustentabilidade, e toda a cadeia de valor precisará ser circular.

Há atividades de pesquisa empolgantes a acontecer neste preciso momento na área de design e desenvolvimento de polímeros utilizando fontes biológicas.
Na era da economia circular, o design será um aspeto crítico. Quero mesmo dizer design em todas as fases, desde o design do polímero/fibra, até à composição do fio e design da estrutura do tecido, para que o produto final seja facilmente reutilizável, reciclável ou biodegradável. Um caso em questão é a mistura de fibras. Misturas de algodão e poliéster são predominantes no mercado de vestuário, mas a reciclagem de tais misturas é notoriamente difícil. É concebível que tais misturas sejam gradualmente substituídas por tipos de fibras mais sustentáveis e compatíveis no futuro. O desafio da I&D torna-se-á então na criação de misturas de fibras mais sustentáveis e compatíveis com comportamento semelhante, ou até melhor, que as misturas típicas de poliéster e de algodão em termos de desempenho, durabilidade e custo do produto. Há atividades de pesquisa empolgantes a acontecer neste preciso momento na área de design e desenvolvimento de polímeros utilizando fontes biológicas. Há margem para desenhar certos atributos de desempenho nestes novos polímeros, garantindo que as fibras e os produtos derivados de materiais naturais possam efetivamente competir com os sintéticos dominantes.

Estou ansioso para ouvir mais sobre essas e outras atividades relacionadas com fibras naturais nas próximas edições da ICNF.

 

Artigos Relacionados

Conferência ICNF lança “call” para edição 2021

03 set 2020 Notícias

Conferência ICNF lança “call” para edição 2021

Conferência internacional organizada pela Fibrenamics – Universidade do Minho acaba de abrir “call” para submissão de abstracts até 31 de dezembro numa edição que será híbrida

Ler mais
A Fibrenamics Green cria produtos do lixo industrial. E a Comissão Europeia sabe disso

13 out 2020 Clipping

A Fibrenamics Green cria produtos do lixo industrial. E a Comissão Europeia sabe disso

Uma plataforma que junta a Universidade do Minho a 100 empresas garantiu o acesso aos finalistas do prémio Regiostars. Solas de sapato produzidas com polímeros que ninguém quer, revestimentos térmicos feitos de detritos de têxteis, e fachadas que reaproveitam minerais figuram entre os projetos que já angariaram 2,5 milhões de investimento.

Ler mais

Cookies

A Fibrenamics utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e para fins estatísticos. A continuação da utilização deste website e serviços pressupõe a aceitação da utilização de cookies. Política de cookies.