Novidades
Biblioteca
Valorização de Resíduos: Caminho para a Sustentabilidade

10 mai 2022Notícias

Valorização de Resíduos: Caminho para a Sustentabilidade

Valorização de Resíduos: Caminho para a Sustentabilidade

Valorização de Resíduos: Caminho para a Sustentabilidade

O caminho, no nosso país, para uma verdadeira sustentabilidade económica e ambiental passa muito por aproveitar os materiais descartados quer em processos industriais quer nos serviços e nas nossas casas.

Para se ter uma verdadeira noção da dimensão do tema resíduos, na Europa, produziram-se em 2018, cerca de 2383 milhões de toneladas de resíduos provenientes das minas, indústria transformadora, energia, construção/demolição, serviços e urbanos sendo que em Portugal esse valor foi de aproximadamente 10,3 milhões de toneladas. É ainda importante perceber que os principais destinos de tratamento de resíduos no espaço europeu são o aterro (37%) e a reciclagem (39%), sendo a Roménia e a Bulgária os países com maior taxa de deposição em aterro (94% e 85%, respetivamente) e a Itália e a Bélgica os países com maior taxa de reciclagem (79% e 77%, respetivamente). Portugal apresentou, em 2018, uma taxa de deposição em aterro de 34%, inferior à média europeia, e uma taxa de reciclagem de 48%, superior à média europeia, existindo, ainda assim, no nosso país, muita margem para uma maior circularidade dos materiais.

aterros-fibrenamics-cvr-portugal-universidade-do-minho

Para além disso, alguns dos recursos naturais estão em vias de se extinguirem num futuro próximo. A este respeito importa referir que a Comissão Europeia, ciente de que as matérias-primas são cruciais para a economia dos seus países membros, uma vez que com elas se produz uma grande variedade de bens e aplicações utilizadas no nosso dia-a-dia e nas tecnologias mais modernas, criou, em 2011, a primeira lista de 14 matérias-primas críticas para a Europa (“Critical Raw Materials” – CRMs), que, em 2020, sofreu a quarta atualização para 30 matérias críticas.

Outro ponto importante a reter, a par das matérias-primas críticas para a Europa, é o cálculo do EarthOvershoot Day que é efetuado pela Global Footprint Network, uma Organização Internacional com sede em Oakland nos EUA. Em 2021, o dia do esgotamento da terra calculado por esta organização foi o dia 29 de julho e marca a data a partir da qual a procura anual da humanidade por recursos excede o que o planeta é capaz de regenerar naquele ano. Por outras palavras, é como se estivéssemos a utilizar o equivalente a 1,7 Terras. Falando no caso específico de Portugal, o dia calculado para o ano de 2021 foi 13 de maio, o que é ainda mais preocupante. Se todo o planeta gastasse tanto em recursos como gastaram os portugueses em 2021, então a humanidade utilizaria o equivalente a 2,75 Terras! Se a tudo isto acrescentarmos as previsões das Nações Unidas para o crescimento de 33% da população mundial, em 35 anos, tendo por referência o ano de 2015, aumentando de 7,3 mil milhões de habitantes para 9,7 mil milhões de habitantes em 2050, podemos constatar que tal resultará num aumento no consumo de materiais e consequente descarte de resíduos.

EarthOvershoot Day-fibrenamics-europe-world-portugal

Devemos, agora, mais do que nunca, fazer a transição de uma Economia predominantemente linear para uma verdadeira Economia Circular! Atualmente o CVR, Centro de Tecnologia e Inovação da Universidade do Minho e entidade com Estatuto de Utilidade Pública, conta com 86 associados, numa gama muito alargada de setores industriais, permitindo-nos o acesso a resíduos de diferentes tipologias e desafiando-nos, diariamente, a encontrar soluções e alternativas para problemas reais e ajustados a diferentes cenários, possibilitando-nos estar na linha da frente das boas práticas no domínio do aproveitamento de resíduos. No entanto, no CVR, reconhecemos que há alguns entraves a uma maior circularidade no uso dos materiais, nomeadamente no quadro legal, que se revela demasiadas vezes burocrático para quem pretende aproveitar resíduos, o que resulta em tempos muito longos de espera para o panorama nacional de empresas que é sobretudo composto por micro e pequenas empresas.

cvr-centro-valorizacao-residuos-universidade-do-minho

O futuro, sem dúvida, será grandemente afetado por tempos de incerteza neste setor (veja-se os efeitos nefastos sobre a Energia que a guerra na Ucrânia está a gerar), o que reserva à Europa e a Portugal um papel que se impõe desafiante na procura de metodologias inovadoras para a gestão de resíduos. A constatação, nos dias de hoje, que uma parte significativa dos nossos materiais com potencial de recuperação é enviada para aterro, sem mais aproveitamento, ou é gerida no incumprimento pela lei, implicando perdas económicas e/ou ambientais para o nosso País, constitui por si, e em simultâneo, a alavanca e o terreno de atuação futura dos Centros de Tecnologia e Inovação e das Universidades deste país.

 

Gostou deste artigo? Faça parte da comunidade Fibrenamics, registando-se aqui

Autor: Jorge Araújo, Diretor Executivo do CVR - Centro para a Valorização de Resíduos.

Artigos Relacionados

Fibrenamics Green e Lipor lançam Desafio de Criatividade

23 abr 2018Notícias

Fibrenamics Green e Lipor lançam Desafio de Criatividade

Plastic Products é o nome do desafio que estará aberto até dia 20 de abril

Ler mais
Fibrenamics Green distinguida nos European Enterprise Promotion Awards

27 set 2018Notícias

Fibrenamics Green distinguida nos European Enterprise Promotion Awards

Os esforços da Fibrenamics Green na busca pelo desenvolvimento de materiais e métodos de produção mais eficientes a partir da reutilização de resíduos industriais foram novamente reconhecidos.

Ler mais

Cookies

A Fibrenamics utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e para fins estatísticos. A continuação da utilização deste website e serviços pressupõe a aceitação da utilização de cookies. Política de cookies.