Novidades
Biblioteca
Mensagens
Fórum
Membros
Investigação de materiais de defesa na UE em tempos de pandemia

06 jul 2020 Notícias

Investigação de materiais de defesa na UE em tempos de pandemia

Investigação de materiais de defesa na UE em tempos de pandemia

Artigo de opinião de Giuseppe Daquino, Project Officer Materials & Structures Technologies da EDA *

Recentemente, o mundo foi profundamente impactado pela pandemia de Covid-19, afetando muitos aspectos (sociais, políticos, industriais, económicos, etc.) da sociedade humana.

A pandemia mostrou que não há nenhum país no mundo que se possa considerar imune ou intocável por este tipo de ameaças. Também demonstrou quão estreitamente os países estão ligados e como um desvio da normalidade num só lugar pode causar efeitos em lugares completamente diferentes, embora com diferentes níveis de intensidade. Se isto é válido mundialmente, é ainda mais certo numa escala menor, como sendo a União Europeia.
Por conseguinte, os desenvolvimentos recentes mostraram como é importante que os países da UE cooperem melhor a todos os níveis. A União Europeia enfrenta um desafio sem precedentes que só pode ser ultrapassado se todos os membros da UE agirem juntos e de maneira coordenada.

A investigação de materiais aplicados à defesa é certamente um elemento importante dos esforços conjuntos dos países membros da UE para desenvolver de forma colaborativa as capacidades europeias capazes de responder de forma eficiente e eficaz às ameaças expostas pela pandemia.
Nesse contexto, a 2ª Conferência Internacional AuxDefense2020 foi adaptada corretamente a um evento online, permitindo que os participantes apresentassem as suas atividades de investigação em vários domínios, como sensorização, proteção balística e contra explosões, tecidos inteligentes, abastecimento de energia ou materiais leves.
A conferência é o fórum ideal para discutir e aprendermos uns com os outros sobre como a investigação em materiais pode fornecer um contributo valioso ao esforço dos países membros da UE de se prepararem melhor para futuras situações semelhantes.

O Materials Capability Technology Group da Agência Europeia de Defesa (Materials CapTech) desenvolveu uma Agenda de Investigação Estratégica (Strategic Research Agenda - SRA) para identificar as áreas tecnológicas em que este grupo de trabalho pode fornecer uma resposta valiosa às necessidades de defesa existentes na Europa. Por esse motivo, o SRA abrange várias áreas em que a investigação em materiais é considerada crucial por todos os países membros da EDA.
Essas políticas são desenvolvidas em 10 Technology Building Blocks (blocos de construção tecnológica - TBBs), ou seja, incubadoras que incorporam linhas homogéneas de desenvolvimento tecnológico em resposta ao Plano de Desenvolvimento de Capacidades (CDP - uma lista atualizada regularmente de prioridades de desenvolvimento de capacidades acordadas em conjunto por todos os países membros da EDA) e a sua Generic Military Task List.
Todos os TBBs foram implementados em extensos roadmaps, concentrando-se nos desenvolvimentos tecnológicos visualizados a curto e médio prazo, projetando uma janela de tempo até 2030. Desnecessário dizer que algumas dessas linhas de desenvolvimento devem continuar para além desta janela temporal, dependendo das reais necessidades dos cenários geopolíticos relacionados.

Algumas dessas atividades estão relacionadas com a pandemia e com a resposta aos efeitos e/ou propagação do contágio. De facto, tornou-se evidente a necessidade de atingir níveis adequados de confiança na Segurança do Abastecimento (Security of Supply - SoS) em toda a Europa, inclusive na garantia de fontes sustentáveis a longo prazo para as principais tecnologias e garantia da disponibilidade dos governos parceiros em facilitar o seu fornecimento. Esse conceito foi recentemente citado em conversas e artigos de altos funcionários da UE**: “A crise revelou áreas em que a Europa precisa ser mais resiliente para prevenir e suportar melhor os choques futuros. Isso inclui equipamentos de proteção e medicamentos é claro, mas também tecnologias mais abrangentes, determinadas matérias-primas críticas (como terras raras), indústrias da defesa e os media.”

Um fator central do SoS é o acesso às matérias-primas críticas (Critical Raw Materials - CRMs). Melhorar a recuperação e a reciclagem de CRMs pode trazer benefícios significativos para a UE, reduzindo a dependência de importações de países terceiros. A reciclagem de materiais pode aumentar a segurança do abastecimento para empresas e setores, bem como diminuir os custos de material quando uma matéria-prima secundária funcionar.
Ao mesmo tempo, haverá alguns desafios para a indústria. Os CRMs estão distribuídos por uma variedade de consumíveis e geralmente podem ser encontrados em pequenas quantidades em cada um desses produtos. A reciclagem desses materiais requer, portanto, sistemas sofisticados com um processo de separação tecnologicamente avançado.

Por sua vez, o aprimoramento da não-dependência da Europa é claramente benéfico para a sua resposta à pandemia, porque, em caso de interrupção da extração de CRMs em países terceiros, a União Europeia será suficientemente resiliente para lidar com os choques económicos e sociais.

Do ponto de vista da Materials CapTech, fazer uso de materiais circulares em diferentes componentes, estruturas e sistemas, bem como a adoção de design/arquitetura avançados que aprimoram a reciclagem de materiais críticos usados em dispositivos para responder à pandemia (por exemplo, CRMs), é essencial na visão futura de um setor de defesa europeu menos dependente. Isto está totalmente de acordo com a recente declaração da Vice-Presidente da Comissão Europeia, Margrethe Vestager: “Na reconstrução, será muito importante a forma como iremos superar as nossas prioridades estratégicas de ser um continente climaticamente neutro e aproveitar ao máximo a tecnologia.***”

De facto, do ponto de vista dos materiais, a não-dependência europeia e as políticas ambientais estão interligadas. A sua conexão torna-se-á mais evidente na implementação do 'Acordo Verde' europeu. Em termos práticos, algumas matérias-primas críticas também são regulamentadas ou serão regulamentadas pelo REACH por seu impacto ambiental. Esse emaranhamento de políticas pode ser enfrentado com a definição de um roadmap que cubra toda a cadeia de abastecimento, criando um modelo simples para responder a restrições pandémicas ou ambientais e alinhado com a economia circular. Um paper sobre este posicionamento foi escrito pela Materials CapTech em 2018.

Os materiais emergentes são necessários para melhorar as plataformas existentes e o desenvolvimento de novas. Algumas das caraterísticas a serem aprimoradas são o peso, resistência à degradação e outras funcionalidades.
Isso pode ser devido à disponibilidade de novos materiais, métodos ou procedimentos de produção, ou face à necessidade de encontrar substitutos fruto de regulamentos do REACH, restrições ITAR, escassez de material (por exemplo, CRMs).

Entre as melhorias pretendidas para as capacidades da Europa estão, em particular, melhor operabilidade, mais sustentabilidade e manutenção reduzida.
Um exemplo relevante nessas áreas é o uso de nanotecnoilogia e materiais e fluídos baseados em grafeno para criar novos materiais com diferentes aplicações civis/militares. A tecnologia é movida para fins civis, mas com possibilidades de uso duplo na maioria das áreas e até responder a especificidades militares em algumas delas. Em resposta à pandemia, sensores à base de grafeno ou membranas à base de grafeno podem ser ferramentas eficazes. De facto, membranas podem ser aplicadas para proteger o pessoal/soldados contra ameaças CBRN e manter os alimentos frescos por um longo tempo.

Por último, mas não menos importante, os têxteis inteligentes são uma nova geração de materiais e sistemas com propriedades multifuncionais muito interessantes (por exemplo, camuflagem, gestão de humidade, tecnologia integrada em têxteis). Essas propriedades, juntamente com a possibilidade de integrar os materiais e sistemas em uniformes/plataformas, chamaram a atenção de stakeholders civis/defesa.
De facto, ainda existem lacunas técnicas que devem ser preenchidas, a fim de alcançar um sistema totalmente operacional que possa fornecer aos soldados um conjunto de funcionalidades integradas, além do conforto e usabilidade necessários para garantir um desempenho adequado em situações de crise.
Os têxteis inteligentes multifuncionais são um notável avanço tecnológico, permitindo uma resposta imediata e segura aos desafios da pandemia. A lista abaixo (longe de ser exaustiva) menciona os aspectos tecnológicos mais relevantes:

  • Deteção e aviso antecipados de possíveis ameaças CBRN
  • Melhoria da monitorização do estado de saúde do soldado
  • Melhoria do desempenho do soldado
  • Melhoria da recolha e processamento de informação/comunicação
  • Melhoria da proteção pessoal em ambientes hostis

Esperam-nos tempos difíceis pela frente, mas a investigação de materiais para a defesa pode definitivamente fornecer um contributo valioso para tornar a União Europeia mais forte e melhor preparada para lidar com pandemias.

 

* O conteúdo é uma visão do autor e não reflete necessariamente a posição da Agência Europeia de Defesa

**  J.Borrell, T. Breton “For a united, resilient and sovereign Europe”, https://eeas.europa.eu/headquarters/headquarters-homepage/80567/united-resilient-and-sovereign-europe_en

*** M. Vestager, Interview at Friends of Europe on 27 March 2020 about COVID-19, its impact on the Single Market, bailouts and citizens, https://www.friendsofeurope.org/events/shaping-europes-digital-future-an-industry-markets-and-digital-nexus/#about

Artigos Relacionados

Produtos AuxDefense em avaliação no Iraque

15 jan 2019 Notícias

Produtos AuxDefense em avaliação no Iraque

Destacado no Iraque desde dia 5 novembro, um contingente do Exército português é o primeiro a receber o novo equipamento de proteção balística desenvolvido pelo consórcio AuxDefense que a Fibrenamics integra.

Ler mais
White Papers Fibrenamics auxiliam instituições portuguesas na elaboração de EPIs

30 abr 2020 Notícias

White Papers Fibrenamics auxiliam instituições portuguesas na elaboração de EPIs

A Plataforma da Universidade do Minho acaba de lançar o quarto White Paper de uma série de documentos dedicados à produção e normalização de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

Ler mais

Cookies

A Fibrenamics utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação e para fins estatísticos. A continuação da utilização deste website e serviços pressupõe a aceitação da utilização de cookies. Política de cookies.